Fim do sonho. Ficou para 2019 a tentativa do São Bernardo de retornar à elite do futebol paulista. Ontem à noite, a equipe recebeu o Oeste no Estádio 1º de Maio com a difícil missão de reverter a vantagem dos visitantes, que venceram em Barueri por 2 a 1 no duelo de ida pela semifinal da Série A-2. Entretanto, o Tigre sofreu outro revés, este por 3 a 2, que não só garantiu a Onça na A-1 como deu vaga na final do segundo nível paulista. Agora, aguarda o vencedor de Guarani x XV de Piracicaba, que se enfrentam hoje.

Para o Aurinegro, fica o sentimento de decepção. Afinal, liderou a maior parte da primeira fase, ficou 12 rodadas invicto e contava com a melhor defesa da competição. Porém, mesmo fazendo frente ao adversário que disputa a Série B do Brasileiro, não conseguiu ter o equilíbrio que o trouxe até a semifinal. Agora, diretoria e comissão técnica colocarão a casa em ordem antes de pensar na Copa Paulista, a partir de agosto.

O JOGO
O técnico Wilson Júnior optou por formação ofensiva. Sacou Edvan, Thiago César e Ricardinho, colocando Ewerton Ageu, Rodrigo Celeste e Francismar. Logo aos 40 segundos, toda a história poderia ter sido outra se Willian Lira tivesse balançado a rede após cruzamento de Francismar. Mas o atacante pegou mal na bola.

O Oeste, bem postado, apostava nas boas tramas ofensivas. E foi assim que, aproveitando erro do Tigre, Bruno Lopes serviu Raphael Luz: 1 a 0.

Antes do intervalo, Ewerton Ageu e Willian Lira tiveram chances de diminuir, mas logo aos seis do segundo tempo o Oeste ampliou. De novo Lopes deu assistência para Luz.

Um suspiro de esperança surgiu aos 15, quando Alvinho acertou o ângulo e diminuiu. Mas, aos 36, Pedrinho fez o terceiro. Pouco valeu Rodrigo Celeste, aos 48, marcar o segundo do Tigre. Festa rubro-negra.

Olhos marejados e muita lamentação do lado aurinegro

 Não poderia ser diferente. O clima no vestiário do São Bernardo era de velório após a eliminação para o Oeste na semifinal do Paulista da Série A-2. Jogadores, dirigentes, comissão técnica… todos tinham um ponto em comum: os olhos marejados por uma sentida eliminação, que mantém o time por mais um ano na divisão.
Nos discursos, o goleiro e capitão Daniel – que ficou de fora da final por suspensão –, o técnico Wilson Júnior e o diretor executivo Edgard Montemor Filho optaram por não apontar culpados para o insucesso.

“Frustração muito grande. Uma campanha sólida desde o começo do campeonato…o acesso viria para coroar isso. Mas o Oeste foi a equipe que mais cresceu de produção na reta final e tem os méritos. Não é possível dizer que tudo foi errado por causa do revés no mata-mata”, disse Daniel. “Trabalhamos com muito carinho desde outubro…Frustrados porque faltou pouco”, afirmou Wilson. “Não é porque a gente não conseguiu o acesso que o trabalho terminou”, projetou Edgard.

Via:DGABC